Arquivo da categoria: Arte

QUARENTENA DE DESENHOS (de GAEL para papai)

O isolamento social não tem sido fácil para ninguém. Embora que para muitos, a vida parece seguir “quase” normal. Os ônibus, farmácias e os supermercados funcionam. Mas recebo relatos de funcionários sem máscara e rindo de toda a situação. Negação e paranóia. Existencialismo e fanatismo. Sem água, trabalho, e nas favelas a vida segue, como dá, como pode. Parentes de conhecidos meus faleceram de covid-19. Enterrados às pressas sem despedidas e amigos. E isso não é teoria conspiratória.

Muitas vezes, a ignorância é quase uma benção, e também um grande problema. Ignorância no sentido de ignorar, de fazer pouco caso, inclusive da ciência. E como quase tudo na vida, relações sociais interferem em questões profissionais. “Propaganda é a alma do negócio”. Ouvia muito essa frase, mas com o tempo me tornei crítico em relação a esse pensamento que apesar de tão simples, – e óbvio -, também se refere a oportunismo, e a comprar pessoas.

Durante a pandemia, pessoas têm se separado, inclusive casais. Idosos são agredidos, pessoas se desesperam pela falta de dinheiro e pelo confinamento. E também deixam que preconceitos se fortaleçam, como a idosa que agrediu verbalmente uma jovem oriental em um vagão de metrô carioca por “infectar a todos com coronavírus”!

As obras no prédio onde resido não pararam. Serra, poeira e cimento todos os dias em horário comercial. Ruídos que nos lembram que a vida não para. O que me faz refletir, todo o tempo, que para comer e ter energia elétrica para escrever essas reflexões  é preciso haver gente, seres humanos trabalhando. E se expondo ao contágio. É como cair no fogo ou na frigideira.

O mundo enlouqueceu ou saiu do armário? Está mais normal do que nunca, mesmo em sua anormalidade?

Enquanto “celebro” e repenso sobre a vida nesses dois meses de isolamento, desenho todos os dias para o meu filho Gael que só me pede artes relacionadas ao jogo FNAF (Five Nights at Freddy´s). Tive que colocar minhas críticas a jogos de lado… Desenhar para o pequeno Gael de 7 aninhos é tão necessário quanto acordar, respirar e comer. Não me imagino de outra forma. E nem conseguiria… Não tenho todo o dinheiro que precisaria para dar bens materiais ao meu filho, mas tenho uma missão que é dar e receber amor. E nunca, ódio.

O amor não pode parar. É a nossa mola propulsora e moto-contínuo, semente e esperança, vida em movimento. Precisamos amar e sobreviver, pagar contas, cuidar da saúde, mente e espírito, mas também precisamos acreditar no amor, sem sermos ingênuos. Somos humanos e tudo o que é humano é demasiado…  Ou inalcançável. Mas isso não pode nos impedir. Talvez todo esse período sirva para nos desapegarmos de ilusões, para deixarmos a vida – que nos resta – mais fácil. Certamente, para muitos, a vida nunca mais será a mesma. Ou mais do mesmo.

Desenhos trocados entre filho e pai durante o isolamento em 2020
Desenhos trocados entre filho e pau durante isolamento social em 2020.

Literalmente, o som nosso de cada dia. Sobre O desencarne de pedro baldanza.

A obra pode ser perene, quando atravessa gerações. Mas para que isso ocorra há duas situações: ou essa eternidade é promovida por interesses econômicos (gravadoras, imprensa) ou pelo público, apenas pelo seu apreço e amor à obra.

O sonho de quase todo músico é ser um compositor renomado ou intérprete reconhecido. Mas nem sempre isso é possível, e não porque as pessoas não tenham capacidade para tanto, mas porque além do talento é preciso uma estrutura empresarial. Mesmo o mundo underground ou as diversas cenas alternativas obedecem aos mesmos parâmetros humanos – e desumanos – que regem todas as paixões humanas e corporações. E mesmo dentro dessas cenas, de contracultura, os artistas e o público agem como todos os outros, louvando quem tem mais exposição ou quem segue a cartilha de suas subculturas.

Não havia guitarra pesada no Brasil nos anos 1970. E quando a gente ouvia uma delas, era uma celebração. Mas ao mesmo tempo, havia outras leituras, muitas minhas, sobre as quais não discorrerei agora, porque o foco deste texto é sobre a sobrevivência do artista. Sobreviver não é uma coisa idealizada. O artista cria, e como todos, deve poder pagar as suas contas com o suor do trabalho e o respeito do público que investe em sua carreira, lançamentos e apresentações. Tapas nas costas e likes não são suficientes.

Conheci Baldanza e Manito do Som Nosso no escritório da revista Rock Brigade na primeira metade da década de 2000. Contei ao Pedro como a faixa Bicho do Mato fazia minha felicidade de menino e ao mesmo tempo quis saber dele sobre as batalhas modernas, sobre o dia-a-dia, a luta pela sobrevivência após os anos 1970 – porque eu mesmo não queria viver apenas do meu passado. O artista é um ser que cria diariamente. É como respirar. E apesar de lidar com a fantasia, com o lúdico, o artista não pode e nem deve viver apenas dela, não se deve fantasiar a realidade sob pena de enlouquecer ou de ser engolido por ela.

Em 2019, um pouco antes de Baldanza falecer, ele havia postado duas mensagens em 15 de outubro nos seguintes termos: “Triste observar que apesar de todos os esforços o público paulista não prestigia seus músicos… Bajulam no Facebook mas não levantam a bunda da cadeira !!!!” e “Não preciso ser bajulado no Facebook, preciso é da presença nos shows”.

E Pedro morreu antes que as pessoas entendessem o recado, o grito de alerta e conscientização… Ou de desespero.