Arquivo da categoria: Geral

TUPINAMBAH 2 FOI LANÇADA E NOVO CANAL NO YOU TUBE

A nova Tupinambah contém uma única história chamada Estado de Exceção. Um jovem casal é acusado pelo governo militar, que toma o poder, de executar um atentado à bomba com o objetivo de matar milhares em um show no dia do trabalho. Acuado, e expostos pela grande imprensa, o casal luta para sobreviver em uma via-crúcis que os faz conhecer tanto as entidades brasileiras como um grupo de resistência revolucionária.

TUPINAMBAH 2

A revista estava sendo desenvolvida desde o final de 2018, mas uma campanha de financiamento vitoriosa em agosto de 2020, permitiu que a nova edição fosse publicada em abril de 2021.

Além da história Estado de Exceção, a nova Tupi conta com uma entrevista com o anarquista Marcolino Jeremias e uma matéria sobre Apolônio de Carvalho e Sérgio de Carvalho, dois militares que combateram os excessos de regimes totalitários brasileiros.

A revista e camisetas podem ser adquiridas em nossa loja https://tupinambah.minestore.com.br/

Lançamento da revista Tupinambah 2 no novo canal Carlos Lopes Artista sobre artes, música e entrevistas com ilustradores.

Para adquirir a revista e camisetas: https://tupinambah.minestore.com.br/

Campanha para A revista TUPINAMBAH 2, CD e LP.

Campanha de 15 de junho a 15 de agosto para CD LP Pandemia da Dorsal Atlântica e Revista Tupinambah 2.

(de 15 de junho a 15 de agosto de 2020)

www.catarse.me/dorsalpandemia

Iniciamos em 15 de junho de 2020 a campanha para a gravação e prensagem do novo trabalho da banda Dorsal Atlântica chamado Pandemia. Além dos CDs, camisetas e LPs, a segunda edição da revista Tupinambah está na campanha juntamente com o CD/LP.

A Tupinambah 2 contém uma história única chamada Estado de Exceção, que se conecta à Pandemia na análise da conjuntura nacional através de distopias inspiradas em Revolução dos Bichos e 1984 do escritor George Orwell.

Em Brazilândia, uma sociedade dividida entre os reis equinos, o povo canino e os símios militares, um jumento é eleito como Primeiro Ministro através de um golpe. O eleito infecta a população com o vírus da ignorância e seus fanáticos seguidores destroem terreiros de Candomblé e incendeiam laboratórios, faculdades e livrarias em nome do Deus Sumé.

Link da campanha: www.catarse.me/dorsalpandemia

Vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=-K3PFuM_6IY

QUARENTENA DE DESENHOS (de GAEL para papai)

O isolamento social não tem sido fácil para ninguém. Embora que para muitos, a vida parece seguir “quase” normal. Os ônibus, farmácias e os supermercados funcionam. Mas recebo relatos de funcionários sem máscara e rindo de toda a situação. Negação e paranóia. Existencialismo e fanatismo. Sem água, trabalho, e nas favelas a vida segue, como dá, como pode. Parentes de conhecidos meus faleceram de covid-19. Enterrados às pressas sem despedidas e amigos. E isso não é teoria conspiratória.

Muitas vezes, a ignorância é quase uma benção, e também um grande problema. Ignorância no sentido de ignorar, de fazer pouco caso, inclusive da ciência. E como quase tudo na vida, relações sociais interferem em questões profissionais. “Propaganda é a alma do negócio”. Ouvia muito essa frase, mas com o tempo me tornei crítico em relação a esse pensamento que apesar de tão simples, – e óbvio -, também se refere a oportunismo, e a comprar pessoas.

Durante a pandemia, pessoas têm se separado, inclusive casais. Idosos são agredidos, pessoas se desesperam pela falta de dinheiro e pelo confinamento. E também deixam que preconceitos se fortaleçam, como a idosa que agrediu verbalmente uma jovem oriental em um vagão de metrô carioca por “infectar a todos com coronavírus”!

As obras no prédio onde resido não pararam. Serra, poeira e cimento todos os dias em horário comercial. Ruídos que nos lembram que a vida não para. O que me faz refletir, todo o tempo, que para comer e ter energia elétrica para escrever essas reflexões  é preciso haver gente, seres humanos trabalhando. E se expondo ao contágio. É como cair no fogo ou na frigideira.

O mundo enlouqueceu ou saiu do armário? Está mais normal do que nunca, mesmo em sua anormalidade?

Enquanto “celebro” e repenso sobre a vida nesses dois meses de isolamento, desenho todos os dias para o meu filho Gael que só me pede artes relacionadas ao jogo FNAF (Five Nights at Freddy´s). Tive que colocar minhas críticas a jogos de lado… Desenhar para o pequeno Gael de 7 aninhos é tão necessário quanto acordar, respirar e comer. Não me imagino de outra forma. E nem conseguiria… Não tenho todo o dinheiro que precisaria para dar bens materiais ao meu filho, mas tenho uma missão que é dar e receber amor. E nunca, ódio.

O amor não pode parar. É a nossa mola propulsora e moto-contínuo, semente e esperança, vida em movimento. Precisamos amar e sobreviver, pagar contas, cuidar da saúde, mente e espírito, mas também precisamos acreditar no amor, sem sermos ingênuos. Somos humanos e tudo o que é humano é demasiado…  Ou inalcançável. Mas isso não pode nos impedir. Talvez todo esse período sirva para nos desapegarmos de ilusões, para deixarmos a vida – que nos resta – mais fácil. Certamente, para muitos, a vida nunca mais será a mesma. Ou mais do mesmo.

Desenhos trocados entre filho e pai durante o isolamento em 2020
Desenhos trocados entre filho e pau durante isolamento social em 2020.