Arquivo da tag: brasil

SÉRIES, COLONIZAÇÃO, CONSERVADORISMO, CRIATIVIDADE!

Tenho assistido a um canal de TV aberta de São Paulo que exibe as mesmas séries estadunidenses antigas que eu via quando criança nas décadas de 1960 e 1970. À primeira vista, achei meio exótico rever material tão antigo sem alguma motivação “valorosa”, mas ao ver um ou outro episódio, sem me cobrar muito, a curiosidade tornou-se hábito. Logo percebi que não se tratava de nostalgia, mas de um processo de autoanálise. Acredito que muitas de nossas escolhas atuais são resultado de um processo inconsciente de percepção do mundo até a pré adolescência, e através do material antigo reencontrei pistas sobre a minha percepção do mundo atual, e pude me conhecer melhor. O que de praxe, me faria tender para o lado crítico (rever uma série de caubóis é colonização cultural), me proporcionou bem mais. Rever seriados antigos me permitiu reanalisar a própria vida, me entender como pessoa, refletir sobre a sociedade e analisar minhas próprias escolhas através das décadas.

Waltons

Há dois seriados que assisto hoje com os quais eu não tinha a menor paciência na década de 1970: Waltons e Os Pioneiros. Quando criança, eu nem sabia o que havia sido a Grande Depressão americana do norte (de 1929) e nem entendia o que era ralar para sobreviver – já que minha mãe lavava minhas roupas. Entendia os roteiros como podia. E mesmo assim aprendi muita coisa (da mesma forma como a série Túnel do Tempo me estimulou a estudar história). Contudo e apesar de, ambas as séries que mais assisto hoje falam sobre famílias tradicionais e rurais sem grandes questões existenciais. Nos Waltons, John-Boy, o adolescente do interior que sonha em ser escritor, é o pilar da história. A sua família corta madeira todos os dias, para que os filhos possam ter um futuro melhor, em um mundo economicamente desestruturado pós a Grande Depressão de 1929. E querer ser um escritor é uma espécie de luxo que quem tem fome não pode sequer ousar em ter… E nos Pioneiros, uma família luta para se estabelecer em uma pequena cidade-vila no final do século XIX em Minnesota. Ambas as séries são românticas e exaltam a luta do “homem” contra as dificuldades e da importância da família como pilar da sociedade. Há elementos idealizados que também transmitem mensagens idealizadas – que se todos trabalharem duro, Deus ou a meritocracia os poupará do fogo da danação. E creio que a vida não é assim, tão preto e branco. Porque negros obviamente tinham menos oportunidades, assim como as mulheres, que apesar de fortes, são submissas àquela época e sociedade. Tive uma reflexão semelhante nesta semana, ao assistir a um episódio de A Feiticeira em que o marido chegava em casa, em 1968, tempos de revolução cultural, e reclamava: “Cadê a minha comida?”. Lembrei do meu próprio pai falando com minha mãe na década de 1990!

Os Pioneiros

Estudando um pouco as séries, Waltons e os Pioneiros, me dei conta da época de produção, por volta de 1972, tempos de campanha presidencial (só nos EUA mesmo, porque aqui era ditadura…). E é aí que se faz uma singela ligação com os tempos atuais. O candidato democrata, McGovern, era anti-guerra (Vietnã), mas perdeu para Nixon, que dizia que o democrata era o candidato dos três As: Ácido, Anistia e Aborto! Parece tão atual, não é? Não te faz recordar de da mamadeira? Do pastor que ganhou a prefeitura do Rio derrotando o candidato “maconheiro”?

“Faz arminha que passa!”

E quanto ao escândalo de Watergate em 1974, sobre um presidente “honesto” que foi pego em atos de suborno, espionagem e corrupção…?

O que evoluiu de 1972 até hoje? A sociedade é de fato conservadora ou simplesmente hipócrita?

E pensar sobre isso, em nossos tempos políticos conturbados (para dizer o mínimo) é bastante curioso.

Sempre sonhei em ver boas produções de séries nacionais na TV (e hoje, na internet há algumas, mas aquém do que eu imagino ser o ideal) que pudessem me cativar ao ponto de eu poder deixar de fazer algo por uma hora para me deliciar com um produto que pudesse sentir como meu, como parte de mim, assim como eu me sentia com a série Arquivo-X que vi de cabo a rabo. E revi.

Escrava branca

Mas, quando falo em produções nacionais, me refiro a trabalhos com linguagem própria, cultura e pensar locais. E que não precisem ser colonizadas, globalizadas e nem esteriotipadas. Reprises do mundo-cão… Escrava Isaura, guerra de tráfico na favela, e corrupção na política podem ser reescritas com muito mais criatividade e sem lacração.  E principalmente, produtos que façam o Brasil encontrar um caminho próprio. Em português, sem a necessidade de ser aceito no exterior. Sei que há muitas séries nacionais na Globo e na TV fechada (Justiça, Copa Hotel, 3 Teresas, 3%, Irmandade, O Escolhido, ), mas eu não tenho – ainda – o interesse em assistir. Meu momento é de rever o que já vi e repensar.

Mauá

Mas tento acompanhar o que posso e quando posso. Uma de minhas paixões é história do Brasil. Por causa disso, assisti no History as séries Gigantes do Brasil e Mauá. Há aspectos positivos, mas o formato, o roteiro e mais algumas coisas me incomodaram. Sem contar no discurso liberal e de meritocracia… Além do History ser um canal que se perdeu nas últimas décadas com realities e Ufos nazistas. Isso sem ter que lembrar da série brasileira Detetives da História exibida em 2010-2013 no History, que descobri não ser apresentada por historiadores, mas por atores. Senti-me ludibriado…

Muitos diriam que em um mundo globalizado seria impossível criar um produto brasileiro e criativo. E que isso não daria likes ou audiência… Pode ser, mas a internet, pelo menos a princípio surgiu para fortalecer a ideia de nichos, tanto que as eleições hoje são ganhas através de nichos, fake news, e a exploração das profundezas mais obscuras da alma humana. Por isso, há o vilão que todos amam odiar sem se darem conta que em nós também habita o vilão escancarado ou hipócrita…

Hoje em 2019 (quase 2020) tenho sérios problemas em assistir a séries estrangeiras. Simplesmente eu não consigo. Minha última foi LOST em 2010. Olho para um estadunidense, ou qualquer outro gringo e não me sinto representado. São temas que não me interessam. Prefiro filmes mudos que assisto quase todos os dias. Revejo os Gordo e Magro quase que diariamente. E em termos de Brasil recorro a reedições – e revisões – de programas e novelas no YouTube que realmente revejo, analiso e estudo. 

Mandacaru

Como que por curiosidade, listo uma pequena lista do que revi (de TV nacional) e que me estimula a escrever livros e quadrinhos em busca desse “meu” e “nosso” Brasil, idealizado ou não, tão bom ou não… Uma lista de filmes nacionais dos anos 1930 a 2019 fica para nova matéria.

Kananga do Japão, Mandacaru, Corpo Santo, Dancin´Days, O Grito, O Bem-Amado, Saramandaia, Os Ossos do Barão, Anarquistas graças a Deus, Grande Sertão: Veredas, Tenda dos Milagres, Anos Rebeldes, Anos Dourados, e Agosto, entre outras.

Literalmente, o som nosso de cada dia. Sobre O desencarne de pedro baldanza.

A obra pode ser perene, quando atravessa gerações. Mas para que isso ocorra há duas situações: ou essa eternidade é promovida por interesses econômicos (gravadoras, imprensa) ou pelo público, apenas pelo seu apreço e amor à obra.

O sonho de quase todo músico é ser um compositor renomado ou intérprete reconhecido. Mas nem sempre isso é possível, e não porque as pessoas não tenham capacidade para tanto, mas porque além do talento é preciso uma estrutura empresarial. Mesmo o mundo underground ou as diversas cenas alternativas obedecem aos mesmos parâmetros humanos – e desumanos – que regem todas as paixões humanas e corporações. E mesmo dentro dessas cenas, de contracultura, os artistas e o público agem como todos os outros, louvando quem tem mais exposição ou quem segue a cartilha de suas subculturas.

Não havia guitarra pesada no Brasil nos anos 1970. E quando a gente ouvia uma delas, era uma celebração. Mas ao mesmo tempo, havia outras leituras, muitas minhas, sobre as quais não discorrerei agora, porque o foco deste texto é sobre a sobrevivência do artista. Sobreviver não é uma coisa idealizada. O artista cria, e como todos, deve poder pagar as suas contas com o suor do trabalho e o respeito do público que investe em sua carreira, lançamentos e apresentações. Tapas nas costas e likes não são suficientes.

Conheci Baldanza e Manito do Som Nosso no escritório da revista Rock Brigade na primeira metade da década de 2000. Contei ao Pedro como a faixa Bicho do Mato fazia minha felicidade de menino e ao mesmo tempo quis saber dele sobre as batalhas modernas, sobre o dia-a-dia, a luta pela sobrevivência após os anos 1970 – porque eu mesmo não queria viver apenas do meu passado. O artista é um ser que cria diariamente. É como respirar. E apesar de lidar com a fantasia, com o lúdico, o artista não pode e nem deve viver apenas dela, não se deve fantasiar a realidade sob pena de enlouquecer ou de ser engolido por ela.

Em 2019, um pouco antes de Baldanza falecer, ele havia postado duas mensagens em 15 de outubro nos seguintes termos: “Triste observar que apesar de todos os esforços o público paulista não prestigia seus músicos… Bajulam no Facebook mas não levantam a bunda da cadeira !!!!” e “Não preciso ser bajulado no Facebook, preciso é da presença nos shows”.

E Pedro morreu antes que as pessoas entendessem o recado, o grito de alerta e conscientização… Ou de desespero.

Ziraldo e a turma do pererê

Li um anúncio pago do facebook sobre o filme A Turma do Pererê.doc a respeito da obra do cartunista Ziraldo. Mas ao reler com atenção, percebi não ser uma película sobre a vida do artista, mas sobre uma obra em particular: A Turma do Pererê, a primeira revista colorida de quadrinhos de um autor brasileiro, que nasceu com o conturbado governo do Presidente João Goulart e que foi “acabada” um mês antes do golpe militar de 1964. Tenho lembranças fortes sobre a versão da Turma do Pererê reeditada – com capa dura – na década de 1970. Comprei, não entendi nada – assumo –, mas o cheiro do papel, o traçado único, os temas nacionais e as cores fortes (sem contar as psicodélicas onomatopéias) me marcaram profundamente. E já escrevi aqui antes, que apesar de adorar Neil Adams, Joe Kubert e Jack Kirby, nunca gostei de super heróis. Então, personagens que protegiam a natureza ou que batiam em Romanos me pareciam mais interessantes – e eu nem sabia o que era ecologia ou imperialismo…

Curiosamente, o documentário aborda um tema interessantíssimo: a dicotomia entre Ziraldo e Maurício de Sousa. O segundo, ainda desconhecido, veio ao Rio nos anos 1960 pedir ajuda ao Ziraldo que recomendou-lhe redesenhar 4 tirinhas do Pererê. Os desenhos foram feitos, o que não deu em nada. Quando Sousa voltou para São Paulo recebeu um baita esculacho da esposa porque havia perdido o nascimento de sua filha Mônica! Décadas passadas, todo mundo conhece a Mônica e quase ninguém conhece a Turma do Pererê – apesar das temporadas exibidas pela antiga TV Brasil em 2002 e 2004.

E sobre esse assunto, arte “que pega ou não”, li aqui mesmo no facebook que um dos artistas que já trabalhou com Ziraldo reclamou – no bom sentido, creio – que infelizmente o mineiro de Caratinga nunca foi capitalista como o Maurício. A Turma do Pererê pode não ter “dado certo” para alguns que só crêem no palpável, mas em minha alma e na de muitos, deu certo demais. E como deu!

Sou da geração que conheceu o Saci nas obras de Monteiro Lobato e que assistiu nos anos 1970, o Sítio do Picapau Amarelo na TV. Era um personagem do mato que adorava confundir as pessoas, fazê-las se perder… Mas o Saci de Ziraldo era bem diferente. Além de ser mais consciente, ele tinha uma perna no meio do corpo! E engraçado como eu via isso no desenho, mas não entendia! O Saci da Mata do Fundão de Ziraldo, corria muito, tanto que andava dentro de um tornado!

Hoje, com a carcaça “mais dura”, entendo bem que há arte para massas e “outra” para quem consegue entendê-la – sempre a minoria. Ziraldo era considerado comunista em 1964 e foi perseguido até que ao se juntar à galera do Pasquim aconteceu o inevitável: cadeia. Mas alguém sabe o nome de quem o prendeu? Esse já foi para a lata de lixo da história, mas Ziraldo, artista supimpa e supremo, não.

Dois adendos:

No primeiro parágrafo escrevi sobre ir ao cinema assistir Ziraldo. Fui, gostei do filme, mas é importante acrescentar que havia 4 pessoas na sala…

Ainda tenho algumas poucas revistas sobreviventes da década de 1970 e uma delas é uma Mad especial preto e branca que vinha com uma reprodução colorida da Mad dos anos 1950 encartada. Nas páginas centrais preto e brancas há os cartuns de um artista brasileiro – apelidado de “brazilian nut”… É fácil saber quem é.

A Turma do Pererê.doc. Direção de Ricardo Favilla para a O2 Play Docs, produtora cuja intenção é lançar mensalmente um filme brasileiro em 20 cinemas selecionados.

“A vida aqui no Brasil é feia – oh, muito feia.”

Esta declaração foi feita por Sarah Bernhardt (Henriette-Rosine Bernard, nascida em 22 ou 23/10/1844 e desencarnada em 26/3/1923), considerada a maior atriz do século XIX.

Sarah, a rainha do drama.

Bernhardt esteve no Brasil três vezes, exatamente em 1886, 1893 e 1905. Do Império à República. Porém, o país não fez parte de suas melhores memórias como a diva registrou em suas cartas. Além de atriz, a dama era uma empresária teatral que percebeu a necessidade de atingir novos mercados. O Brasil, escolhido para ser o ponto de partida da segunda tournê às Américas, recebeu-a no auge, com 42 anos. A atriz desembarcou no porto do Rio de Janeiro no dia 27 de maio de 1886 do navio Cotopaxi. Intelectuais e estudantes a tietaram e recepcionaram, entre eles o dramaturgo Artur Azevedo.

O primeiro relato da atriz ao amigo Raoul Ponchon diz muito: “Finalmente aqui estou, depois de 22 dias no mar. Que viagem esplêndida, que país maravilhoso! (…) Mas a cada alegria corresponde uma tristeza. Se o país é extraordinário, o clima é terrível. A fabulosa vegetação se deve ao calor extremo e à medonha umidade (…) Todo mundo anda meio doente…”.

“Pour quoi suis-je venu ici?”

Sarah Bernhardt se apresentou no Imperial Teatro de São Pedro de Alcântara, no Rossio, atual praça Tiradentes. O Imperador D. Pedro II (conhecido como o “monarca teatreiro”) compareceu a todas as apresentações e não escapou à análise sarcástica da francesa: “O imperador do Brasil parece que é pobre demais para comprar uma assinatura. Toda noite chega no teatro numa carruagem puxada por quatro mulas ofegantes. E que carruagem! Tão absurda quanto seus guardas esfarrapados. Esses galantes brasileiros parecem que estão sempre brincando. Brincam de construir casa, de abrir estradas, de apagar incêndios, de ser entusiásticos”.

E não para por aí. Sarah reclama dos “ladrões sanguinários”; do teatro de luzes fracas e com “camundongos por toda a parte”. Mas caro leitor, não acredite que só a diva é quem reclamava. Os brazucas também colocavam as barbas de molho.

O dramaturgo e jornalista R. Magalhães Júnior escreveu que a companhia de Sarah trouxe “cenários paupérrimos”. E como se não bastasse, o ator Philippe Garnier, que interpretava o seu par romântico na peça “A Dama das Camélias” (de Alexandre Dumas Filho) entrou no palco sem os bigodes – o símbolo da “varonilidade” do personagem Armand Duval. Os estudantes gritaram “Fora com o canastrão!”, antes de ensaiar uma vaia, além de atirarem pontas de cigarro, quase incendiando o vestido de uma dama na platéia. O tal fã, descrito no início da matéria, o dramaturgo Artur Azevedo, se ergueu para defendê-la: “É assim que vocês querem apresentar o Brasil no exterior?”. Os estudantes se acalmaram, Garnier retornou com os nervos à flor da pele e Sarah, acuada, deu o máximo de si, arrancando aplausos frenéticos da platéia. Na sequência, outros problemas ocorreram: Martha Noirmont, uma atriz de sua companhia a acusou de agressão e Maurice, o filho de Sarah, de 21 anos, apanhou no saguão do hotel por ter “dirigido gracejos com desembaraço parisiense” às donzelas. Segundo a mãe do rapaz, foi uma “tentativa de homicídio”.

Cleópatra.

Segunda visita.

Dessa vez, a atriz alugou um palacete em Botafogo, na zona sul da cidade, e contratou vários empregados, que deveriam falar francês. Mesmo com tais antecendentes (o conhecimento da língua) a patroa descobriu que estava sendo roubada! Sumiram jóias no valor de 250 mil francos, além de três maços de notas de liras contabilizando o total de 189 mil. A polícia prendeu geral e achou dois contraventores: um francês e um espanhol, nenhum brasileiro. Mas nada do material roubado. O chefe da “poliçada” carioca comentou à época que o roubo talvez fizesse parte de uma estratégia da atriz para atrair mais atenção e público às suas peças.

Jesus na cruz…

Adicione-se a tudo isso que um crítico brasileiro escreveu que a atriz, já com 49 anos, estava um tanto “velhota” e chamou-a textualmente de “múmia”. E quem surgiu para defendê-la? Artur Azevedo! 

Durante a partida do navio Sénegal, no qual Bernhardt deixava a capital federal, estourou uma rebelião na Marinha chefiada pelo contra-almirante Wanderkolk, dois meses antes da famosa Revolta da Armada contra o governo de Floriano Peixoto. O mastro da embarcação de Sarah foi atingido por uma bala perdida. Um longo artigo no jornal parisiense Le Figaro escreveu que a atriz “nunca mais poria os pés no Brasil”. Mas adivinhem o que aconteceu?

“yeux dans les yeux.”

Terceiro tempo.

Em 1905, o Brasil já era uma República e cá Sarah se encontrava novamente porque estava quebrada, sem um tostão. E percebam a delicadeza da situação: Bernhardt teria que enfrentar o público de quem ela havia falado tão mal no Figaro. Para complicar, a atriz sentia fortes dores no joelho direito, devido às diversas vezes (30 por espetáculo) em que se jogava no chão interpretando Joanna d´Arc. Os biógrafos dizem que em Buenos Aires formou-se um abscesso que necessitou de uma intervenção cirúrgica. Três meses depois da capital portenha, a francesa estava de volta ao Rio. E quem levantou-se no primeiro e segundo atos de La Sorcière de Victorien Sardou pedindo clemência à platéia que a espezinhava por causa das críticas feitas ao país, anos antes? Nem citarei o nome do defensor perpétuo para não parecer perseguição… E mais uma vez, o público terminou aplaudindo-a de pé.

A atriz Sarah Bernhardt e o Brasil.
“Bolada com o Brasil!”

Por coincidência ou karma, o Brasil, em parte, foi responsável pela morte da atriz.

Durante a última encenação da ópera La Tosca (de Sardou) em 1905, no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, a atriz pulou de um parapeito cenográfico para cair sobre colchões colocados atrás do cenário, mas daquela vez o funcionário do Teatro Lírico se esqueceu de cumprir a sua função e a francesa machucou gravemente o joelho direito.  Ela nem conseguiu retornar ao palco para receber os aplausos. O acidente causou a gangrena que se desenvolveu em sua perna. Apesar dos apelos dos amigos para que permanecesse no Rio de Janeiro para se tratar, mesmo manca e febril, Bernhardt partiu para os Estados Unidos. Horrorizada com as mãos sujas do médico de bordo, não permitiu que ele tocasse em seu joelho. A situação só piorou e dez anos depois, Sarah foi obrigada a amputar a perna direita em 1915. Mesmo assim, a atriz continuou atuando por mais alguns anos até falecer em Paris em 1923. Brasil… Ame-o ou deixe-o!